domingo, 31 de agosto de 2014

Amélia


E lá vinha ela

Devagar, mas firme!

Com jeito altivo de quem

Do alto de sua idade

Carregava a própria experiência

Sua bengala vibrava à força de sua vontade

Por onde andará Amélia no céu infindo?

Quantas histórias contará por lá a preta-velha?

Qual das estrelas nos apontará seu rumo?

Talvez a que esteja mais atenta ao seu olhar

E lá se foi

Devagar, mas sempre!

Com jeito de quem carregava a própria existência

Assis Furriel


Esse poema é uma homenagem a uma antiga amiga de minha família, a qual cito em outro post:
Vovó Amélia: uma história de amizade, escravidão e liberdade

7 comentários:

  1. Gosto do jeito que escreve. Gosto desse jeito leve.

    ResponderExcluir
  2. Almma, que alegria a sua visita. Saiba que tenho a maior admiração pela sua poesia.

    O meu jeito é aquele de quem sabe que não é poeta e por isso engana com esse jeitinho leve. Ainda bem que amigos como você gostam. Isso me deixa muito feliz. Volte sempre!

    ResponderExcluir
  3. Maravilhoso contador de história…
    Belíssimo e comovente Poema, Assis!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deise,

      adoro quando visita meu blog e, principalmente, quando comenta. É bom contar histórias para amigos que sabem ouvir. Nem sempre as histórias falam aos ouvidos. Para algumas, há que se ter coração de ouvir.

      Obrigado por me ouvir. Bjs.

      Excluir
  4. Oi gostaria de saber a história da preta velha vó Amélia? Se souber e puder contar fico grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história está no link logo após o texto.

      Excluir
    2. A história está no link logo após o texto.

      Excluir